Albrecht Loops

guitarra . twintar

Nasceu em 1967 na Figueira da Foz . Foi músico, performer e membro fundador dos grupos Gabardine 12 (85/91), Deadly Gas (89/93) e Art Ephémera (94/96). Tournou-se membro do CITAC em 1992 onde integrou a direcção e compôs a música original dos espectáculos Persona Pessoa, Os Olhos, Um Processo e Jogo de Massacre.

Fez formação com Andrej Kowalski, Nuno Rebelo, Carlos Zíngaro, Rui Eduardo Paes, Peter Kowald, Gunter Muller e Fernando Meireles.
Orientou diversas oficinas de sonoplastia/desenho de som e construção de instrumentos.
Em 1998 organizou no âmbito do Festival X o primeiro Co-Lab (ciclo de música experimental-improvisada), que voltou a organizar em 1999 em co-produção com o Auditório Nacional Carlos Alberto.
Desde 1994 compôs música original para 13 das 14 produções do Visões Úteis.
Trabalhou também com o Teatro Só desde 1999 e no TeatroNacional de São João compôs a música original das peças Vermelhos, Pretos e Ignorantes, Urbado, A Hora em que Não Sabíamos Nada Uns dos Outros e Coiso, este último um projecto musical com direcção de Nuno Cardoso.

Frequentou workshops na área da música improvisada com Carlos Zíngaro, Peter Kowald, Nuno Rebelo e Gunter Müller, e na área da dança e novas tecnologias com Sarah Rubidge e John-Marc Gowans.
Trabalhou como músico em espectáculos dirigidos por: Dato de Weerd, Paulo Lisboa, António Feio, Nuno Cardoso, Paulo Castro, José Wallenstein, Rui Nunes, entre outros. Editou uma compilação de temas de bandas sonoras para as Visões Úteis.
É director artístico e organizador do Co-Lab, festival internacional de música experimental/improvisada.


«TwinTar», de Albrecht Loops

É uma guitarra concebida por Albrecht Loops para ser tocada, em simultâneo, por dois guitarristas.
Este instrumento foi apresentado em Outubro de 2002 em concerto com Nuno Rebelo no teatro Rivoli no Porto.